USO DE RECURSOS TERAPÊUTICOS ALTERNATIVOS FINANCIADOS PELO SUS NO BRASIL

Autor(es): Lorena Schindler Coutinho Ribeiro; Marlene Silva

O Ministério da Saúde incluiu, desde 1999, os recursos terapêuticos alternativos como procedimentos disponíveis no Sistema Único de Saúde, permitindo à população brasileira o direito de escolha entre a medicina tradicional e a medicina alternativa, tais como acupuntura, fitoterapia, homeopatia e termalismo. O presente trabalho objetiva determinar a região e o estado do Brasil que utiliza o maior uso destes recursos e o tipo de prestador com maior índice de atendimentos financiados pelo sistema público de saúde brasileiro. Tratase de um corte transversal, com dados secundários do SUS, utilizando-se os registros de procedimentos ambulatoriais do SIA/SUS e dados populacionais do IBGE, de acordo com as regiões. As medidas utilizadas foram proporções de procedimentos para avaliar a demanda de recursos terapêuticos alternativos e, posteriormente, razões para as comparações realizadas, através de planilha eletrônica, do Microsoft Office 2007. Verificou-se que a distribuição dos recursos terapêuticos alternativos no Brasil não é igualitária. Em 2002, percebeu-se que a região Centro-Oeste utilizava em maior número estes recursos, seguido do Sudeste e, por último, a região Sul. Em 2007, embora a demanda destes recursos tenha aumentado em todas as regiões, a ordem de magnitude permaneceu a mesma de 2002. O Distrito Federal, Maranhão e Goiás foram os que mais utilizaram os recursos em 2002 e, em 2007, o Distrito Federal continuou liderando a presença destes, seguido do estado de São Paulo. Em relação ao tipo de prestador, os estabelecimentos municipais tiveram maior índice de atendimentos dos recursos terapêuticos financiados pelo SUS no Brasil, tanto no ano de 2002 como em 2007. Diante do exposto, ressalta-se que o crescimento do uso de recursos terapêuticos alternativos financiados pelo SUS ainda é tímido, porém significativo. Com isso, cabe aos profissionais da área de saúde, sensibilizar os gestores e demonstrar a necessidade da inserção mais profundamente das práticas no sistema público para melhor atender aos usuários brasileiros.

Palavras-chave: práticas integrativas e complementares. recursos terapêuticos. SUS. saúde pública.

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br