PERFIL CLÍNICO E EPIDEMIOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA (IRPA) NA UTI DE UM HOSPITAL PRIVADO DE SALVADOR

Autor(es): Camila Grossmann de Oliveira Porto; Camila Melo Coelho Loureiro; Gabriela Gomes da Silva; Cristina da Costa Peres; Maurício Antonio Leal Martini; Aquiles Assunção Camelier; Iêda Maria Barbosa Aleluia

Introdução: A IRpA é uma importante causa de internamento em UTI. Entretanto, estudos epidemiológicos sobre essa condição são escassos na literatura. Objetivos: Determinar a frequência da IRpA na UTI; a mortalidade associada; o perfil clínico desses pacientes; e a concordância entre o diagnóstico médico e de critérios propostos na literatura. Metodologia: Estudo descritivo realizado em uma UTI de um hospital privado de Salvador, durante três meses, com aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da instituição nº 31/08. Pacientes maiores de 18 anos e com permanência mínima de 24 horas foram incluídos no estudo. Os objetivos foram avaliados através da análise diária do prontuário dos pacientes admitidos. Os critérios diagnósticos utilizados para IRpA foram: ventilação mecânica, ventilação não invasiva e SpO2< 95% em uso de suplementação de O2. Foram excluídos do estudo os pacientes que não assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Resultados: 151 pacientes foram incluídos no estudo. À admissão, 31,1% apresentavam IRpA segundo os critérios e 20% segundo o médico; durante o internamento 18,5% desenvolveram IRpA segundo os critérios e 14,6% segundo o médico. Dos portadores de IRpA, 48,2% eram homens; a média de idade foi 67,7+16,1 anos; o tempo de internação na UTI foi 7,8+7,2 dias e o APACHE II foi 21,9+8,3 pontos; 81,9% dos pacientes eram clínicos e 18,1% eram cirúrgicos; 51,8% provinham da emergência, 2,4% da unidade coronariana, 34,9% da enfermaria e 10,8% do centro cirúrgico; 13,3% apresentavam IRC, 22,9% DM, 30,1% neoplasia, 24,1% insuficiência circulatória e 6% ICC. A mortalidade associada à IRpA foi 20,5%. A concordância entre os diagnósticos na admissão foi de 0,54 (p<0,05) e durante a internação de 0,33 (p<0,05). Conclusão: Apesar da frequência e mortalidadeda IRpA encontradas serem compatíveis com a literatura, a taxa de concordância entre o diagnóstico médico e segundo critérios, à admissão, foi moderado, e considerável durante o internamento.

Palavras-chave: insuficiência respiratória. UTI. epidemiologia.

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br