DEBRIDAMENTO PERIODONTAL NO TRATAMENTO DA PERIODONTITE CRÔNICA AVANÇADA EM DIABÉTICOS

Autor(es): Antônio José Mascarenhas da Costa Neto Guttemberg; Maisa Nascimento Cardoso; Ana Luiza Meira; Sandro Sousa Bittencourt; Erica Ribeiro Del Peloso

A presença do diabetes mellitus em pacientes dependentes ou não de insulina exógena, é considerada fator de risco, levando à maior prevalência e severidade da doença periodontal, de forma que o controle dos níveis glicêmicos, a duração da doença e a idade do paciente são fatores de grande relevância no tratamento e acompanhamento desses pacientes. A possibilidade de utilização do debridamento periodontal para tratamento da periodontite crônica foi confirmada por outros estudos, que mostram similaridade nos resultados obtidos com raspagem e alisamento radicular, em esquema convencional e o debridamento periodontal.Entretanto, ainda não foram relatados estudos sobre o efeito do debridamento em indivíduos diabéticos. Para a realização deste estudo, serão selecionados 40 pacientes cujo controle glicêmico esteja insatisfatório (HbAc> 8%) e que tenham pelo menos oito dentes com profundidade de sondagem 5mm e sangramento à sondagem. Os pacientes deverão ter um mínimo de 20 dentes. Serão excluídos pacientes fumantes e que tenham recebido tratamento periodontal ou utilizado antibioticoterapia nos 6 meses anteriores ao estudo. Serão avaliados os seguintes parâmetros clínicos: índicie de placa visível, índicie de sangramento gengival, profundidade de sondagem e Nível de Inserção Clínica Relativa. Os parâmetros descritos acima serão avaliados antes do tratamento, 3 e 6 meses após. Através desse estudo espera-se que o debridamento periodontal seja também uma alternativa viável para o tratamento da periodontite crônica avançada em indivíduos diabéticos. Essa viabilidade seria observada com resultados clínicos do debridamento semelhantes aos da raspagem e alisamento radicular. Uma das vantagens da nova abordagem seria a redução do tempo de tratamento e, por conseguinte, a redução do risco de intercorrências (exemplo: crises de hipoglicemia) durante o tratamento periodontal. Sendo assim, o objetivo do presente estudo será avaliar o efeito do debridamento periodontal no tratamento de diabéticos com periodontite crônica severa e no controle glicêmico desses pacientes.

Palavras-chave: A presença do diabetes mellitus em pacientes dependentes ou não de insulina exógena, é considerada fator de risco, levando à maior prevalência e severidade da doença periodontal, de forma que o controle dos níveis glicêmicos, a duração da doença e a idade do paciente são fatores de grande relevância no tratamento e acompanhamento desses pacientes. A possibilidade de utilização do debridamento periodontal para tratamento da periodontite crônica foi confirmada por outros estudos, que mostram similaridade nos resultados obtidos com raspagem e alisamento radicular, em esquema convencional e o debridamento periodontal.Entretanto, ainda não foram relatados estudos sobre o efeito do debridamento em indivíduos diabéticos. Para a realização deste estudo, serão selecionados 40 pacientes cujo controle glicêmico esteja insatisfatório (HbAc> 8%) e que tenham pelo menos oito dentes com profundidade de sondagem 5mm e sangramento à sondagem. Os pacientes deverão ter um mínimo de 20 dentes. Serão excluídos pacientes fumantes e que tenham recebido tratamento periodontal ou utilizado antibioticoterapia nos 6 meses anteriores ao estudo. Serão avaliados os seguintes parâmetros clínicos: índicie de placa visível, índicie de sangramento gengival, profundidade de sondagem e Nível de Inserção Clínica Relativa. Os parâmetros descritos acima serão avaliados antes do tratamento, 3 e 6 meses após. Através desse estudo espera-se que o debridamento periodontal seja também uma alternativa viável para o tratamento da periodontite crônica avançada em indivíduos diabéticos. Essa viabilidade seria observada com resultados clínicos do debridamento semelhantes aos da raspagem e alisamento radicular. Uma das vantagens da nova abordagem seria a redução do tempo de tratamento e, por conseguinte, a redução do risco de intercorrências (exemplo: crises de hipoglicemia) durante o tratamento periodontal. Sendo assim, o objetivo do presente estudo será avaliar o efeito do debridamento periodontal no tratamento de diabéticos com periodontite crônica severa e no controle glicêmico desses pacientes.

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br