FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES PARA PREVENÇÃO À SAÚDE: ETNOBOTÂNICA EM UM REMANESCENTE DE COMUNIDADE QUILOMBOLA NO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO CONDE, SALVADOR-BAHIA

Autor(es): Léa Maria dos Santos Lopes Ferreira; Ana Cecília Cerqueira de Mello; Jéssica Fernandes dos Santos

Popularizar ciência e saúde é também retratar a etnobotânica que estende o campo para o estudo das populações tradicionais na interrelação das populações humanas e o uso de plantas medicinais e alimentícias, cujos elementos essenciais, tais como sais minerais e vitaminas são fundamentais para a saúde. O Ministério da Saúde, recentemente, divulgou uma lista com 71 plantas de interesse do SUS. Fitoterápicos, de acordo com a legislação sanitária brasileira, é o medicamento obtido exclusivamente a partir de matérias-primas ativas vegetais. Muito se tem a descobrir em comunidades remanescentes quilombolas acerca do uso de plantas para fins medicinais, principalmente por meio das pessoas mais anciãs na comunidade. Tais conhecimentos etnobotânicos, conforme preconiza a literatura, estão se perdendo nessas comunidades. Resgatar essa utilização é curiosidade nessa temática, ou seja, etnobotânica aplicada à saúde, pode, inclusive, culminar em investigações biotecnológicas e surgimento de novos fármacos com utilização de plantas medicinais. Este projeto tem o objetivo exercer tarefas destinadas ao manejo do ambiente, visando criar ferramentas para formação de multiplicadores na comunidade para atuarem na melhoria da qualidade de vida, dentro do ramo da etnobotânica. O estudo iniciou os trabalhos em janeiro de 2010 em uma Comunidade Quilombola Monte Recôncavo, no município de São Francisco do Conde, composta por 800 famílias quilombolas. O trabalho está sendo desenvolvido com dez alunos de ensino médio selecionados em escolas públicas. A segunda etapa será realizada em setembro de 2010 no Campus Cabula III da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública na observação em lupas e microscópios das estruturas de reservas de princípios ativos estocados nas plantas como medicinais e alimentícias. Para a conclusão do trabalho, os alunos capacitados apresentarão um catálogo de plantas medicinais utilizadas pela comunidade remanescente de quilombola, acompanhados por um ciclo de palestras para difusão de conhecimentos sobre etnobotânica plantas medicinais.

Palavras-chave: plantas medicinais. quilombola. etnobotânica.

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br