PAPEL DA RESPOSTA IMUNE INATA NA PATOGÊNESE DA HANSENÍASE

Autor(es): Marcela Macedo Leite; Fernanda Rodrigues Costa; Fernanda França Mendonça de Matos; Mariana de Carvalho Araújo; Priscila Loria da Silva; Edgar Marcelino de Carvalho

Introdução: A hanseníase é uma doença infecciosa causada pelo mycobacterium leprae que acomete principalmente a pele e os nervos periféricos. Pesquisas e estudos sobre essa patologia são relevantes devido ao impacto causado à população mundial, não apenas pelo crescente número de indivíduos acometidos, mas também por deixar graves sequelas, como deformidades e déficits motores. Atualmente, o Brasil se encontra entre os países com maior número de casos. A patologia possui dois pólos principais de apresentação, o tuberculóide e o virchowiano, determinados pela resposta imune adaptativa do hospedeiro. Entretanto, a maioria dos indivíduos que entram em contato com o bacilo não desenvolve a doença, por isso, acredita-se que estes apresentem uma resposta imune inata efetiva contra o patógeno. Mesmo após o tratamento o indivíduo infectado pode vir a cursar com as chamadas reações hansênicas. Objetivo: Analisar levantamento de trabalhos científicos publicados nos últimos cinco anos sobre o papel da resposta imune inata na proteção do hospedeiro contra o mycobacterium leprae. Metodologia: Foi realizada uma revisão bibliográfica de artigos científicos pesquisados no banco de dados da Bireme, Lilacs, Pubmed e Medline. Conclusão: Dentro da resposta imune inata, foi considerado importante para a defesa do hospedeiro o reconhecimento de Padrões Moleculares Associados a Patógenos (PAMPs) por Toll Like Receptors (TLRs) dos tipos I, II e IV, que, por sua vez, aumentam a expressão de Receptores de Vitamina D (VDRs), ativando a via microbicida efetiva. Foi evidenciado, também, que diferentes citocinas da imunidade inata ativam diferentes vias no macrófago e estas vias de ativação se relacionam com o tipo de patologia. Na lesão do tipo tuberculóide haverá indução da via antimicrobiana, enquanto que na lesão típica do pólo da susceptibilidade, denominada virchowiana, haverá ativação de uma via fagocítica que não é microbicida.

Palavras-chave: hanseníase. resposta imune inata. patogênese.

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br