INFLUÊNCIA DA INFECÇÃO PELO SCHISTOSOMA MANSONI NA EVOLUÇÃO CLÍNICA DA INFECÇÃO PELO VÍRUS HTLV-I

Autor(es): Andrea Bacellar Soares de Andrade; Fernanda Correia Salles; Mirla Carvalho Silva de Amorim; Yuri Costa Sarno Neves; MARCELO KIRSCHBAUM; Camila Farias Amorim

Introdução: O HTLV-I é o agente causal da mielopatia associada ao HTLV-I (HAM/TSP) e também tem sido associado à disfunção erétil e bexiga hiperativa. A prevalência de esquistossomose em pacientes portadores do vírus é maior que em indivíduos soronegativos e o Schistosoma mansoni tem a capacidade de modular a resposta imune ao HTLV-I, podendo influenciar no curso da doença viral. Objetivos: Comparar a resposta imune em pacientes co-infectados pelo HTLV-I e S. mansoni e em indivíduos monoinfectados com o vírus e avaliar se o helminto influencia nas manifestações clínicas da infecção viral. Metodologia: Pacientes:18 pacientes co-infectados pelo HTLV-I e S.mansoni e 36 pacientes monoinfectados pelo HTLV-1. Foram analisadas a produção de TNF-a, IFN-?, IL-5 e IL-10 antes e após o tratamento da esquistossomose, a carga proviral e a ocorrência de desfechos clínicos com comprometimento neurológico (HAM/TSP; Bexiga hiperativa e Disfunção erétil). Resultados: A maioria dos indivíduos de ambos os grupos era assintomáticos na admissão. As concentrações de TNF-a foram menores nos indivíduos co-infectados pelo HTLV-1 e S.mansoni em relação aos indivíduos monoinfectados (p<0,05), enquanto as concentrações das demais citocinas foram similares entre os dois grupos. Nenhum paciente desenvolveu HAM/TSP e não houve diferença nas prevalências de disfunção erétil e bexiga hiperativa nos grupos. Entretanto, foi identificado um número de indivíduos que desenvolveram estas manifestações neurológicas independente do grupo. Conclusões: 1) Apesar da infecção pelo S. mansoni modular negativamente a resposta Th1 in vitro, isso não refletiu em alterações clínicas nos pacientes infectados com HTLV-I; 2) É possível que a ausência do efeito atenuador de manifestações clínicas induzidas pelo S. mansoni não tenha sido observado devido ao tratamento com praziquantel; 3) O aumento da freqüência de manifestações neurológicas indica que dano neurológico ocorre não só em grande percentual de infectados, mas de forma rápida, levando ao aparecimento precoce destas manifestações.

Palavras-chave: Schistosoma mansoni. Manifestações clínicas. Resposta Imune.

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br