MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS COM POTENCIAL ANTINOCICEPTIVO EM MODELOS ANIMAIS

Autor(es): Bruno Teixeira Goes; Márcio Ramos Coutinho; Adriano da Cunha Gomes

O controle da sensação dolorosa tanto em quadros agudos e, principalmente, nos quadros crônicos, constitui um problema real no tratamento de um amplo espectro de patologias e condições clínicas. A busca pelo desenvolvimento de compostos de origem natural ou sintética que apresentem maior potencial antinociceptivo e reduzidos efeitos colaterais são emergentemente requeridos atualmente. A pesquisa em modelos experimentais representa o primeiro passo para a triagem das substâncias promissoras, para tanto, o uso de métodos que avaliem o comportamento nociceptivo a partir de diferentes estímulos são de fundamental importância para a prospecção de novos fármacos. Nesse contexto, a presente revisão visa investigar os principais métodos para avaliação do comportamento nociceptivo em pesquisas de prospecção de fármacos quanto atividade antinociceptiva. Para tanto, realizou-se uma revisão sistemática da literatura científica nas bases de dados MEDLINE, LILACS, SciELO e PUBMED, empregando como descritores os termos: nocicepção, dor, antinocicepção, produtos naturais e produtos sintéticos, nas línguas portuguesa, inglesa e espanhola, sendo utilizados artigos referentes a modelos de estudo da resposta nociceptiva.. Os resultados obtidos permitem descrever que os métodos de avaliação do comportamento antinociceptivo podem ser divididos de acordo com o estímulo que promove o excesso de nocicepção em: químicos, térmicos e mecânicos. As principais avaliações que utilizam o estímulo químico são os testes de contorções abdominais e o teste da formalina, para estímulos térmicos, o teste da placa quente e o de retirada da cauda e para avaliações com estímulos mecânicos, os testes de Von-Frey e Randall e Selitto. Assim, podemos considerar que, a partir da utilização dos métodos apresentados, é possível realizar a triagem de substância quanto atividade antinociceptiva com reprodutibilidade. Vale ressaltar que tal comportamento representa a integração entre os sistemas sensorial e motor, portanto, se faz necessário excluir a atividade da substância sobre a locomoção dos animais estudados.

Palavras-chave: NOCICEPÇÃO; DOR; RESPOSTA NOCICEPTIVA; PRODUTOS NATURAIS

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br