FREQUÊNCIA DOS TUMORES INTRACRANIANOS EM CRIANÇAS SUBMETIDAS A NEUROCIRURGIA NO HOSPITAL SÃO RAFAEL

Autor(es): Fernanda Silva da Paz Castro

RESUMO ? Introdução: As neoplasias primárias do SNC, sejam elas malignas ou benignas, constituem o segundo maior grupo de câncer pediátrico, perdendo apenas para as leucemias. Esses tumores podem ocorrer desde o período neonatal ao da infância, sendo um dos mais comuns tipos de câncer sólidos infantil. Além da relevante incidência, essas patologias destacam-se pelas altas taxas de mortalidade. Dentre os diversos tipos histológicos de tumores pediátricos do SNC os astrocitomas, com o seu subtipo pilocítico, e os meduloblastomas são os mais comuns. Quanto ao quadro clínico, os sinais e sintomas costumam refletir a localização do tumor, que em crianças, diferente dos adultos, pode ser classificada em infra ou supratentorial. Em relação ao tratamento, esse pode ser cirúrgico, quimioterápico e/ou radioterápico a depender de cada caso. Objetivo: primário:avaliar a frequência dos diferentes tipos histológicos de tumores intracranianos em crianças submetidas à neurocirurgia em um hospital terciário de referência.Secundários:1)analisar a associação com fatores demográficos como sexo, idade, peso e procedência dos pacientes estudados, para tentar identificar algum fator de risco no Estado da Bahia.2)Analisar a ocorrência ou não de óbito até seis meses após a ressecção cirúrgica.Metodologia: Análise estatística descritiva com dados obtidos através de um estudo retrospectivo de 106 prontuários referentes a crianças, de 0 a 17 anos, submetidas à neurocirurgia no Hospital São Rafael, Salvador-Bahia, no período de 2005 a 2010. Os dados coletados foram organizados em uma planilha no Microsoft Excel® 2003, e em seguida agregados através de cálculos de indicadores. Resultados: Houve predomínio do sexo masculino (55,7%). A idade dos pacientes variou de 6 meses a 17 anos, sendo a média de 7,8 anos. A faixa etária mais prevalente foi a de 5 a 13anos, com 63 pacientes (59,4%). Quanto ao peso, esse variou de 7 a 90 kg, sendo a média de 30 kg. A faixa de peso mais prevalente foi a de 20 a 50Kg, o que corresponde a 69 crianças (65%). Em relação à procedência, 43 pacientes (51,8%), de um total de 83, eram provenientes do interior do Estado. Quanto ao resultado anatomopatológico, o astrocitoma foi o mais prevalente, ocorrendo em 40 crianças (37,73%), sendo seguido pelo meduloblastoma, o qual acometeu 8 crianças (7,54%). Dos astrocitomas, o subtipo pilocítico foi o mais comum, ocorrendo em 27 pacientes (25,47%). Em relação à mortalidade, apenas 5 pacientes (4,7%) foram á óbito em até seis meses após a ressecção cirúrgica.Conclusão: O astrocitoma pilocítico e o meduloblastoma foram os tipos histológicos de maior freqüência encontrados no presente estudo.Na mostra analisada,não foi estabelecida uma relação entre procedência,idade,sexo e a incidência dos tumores intracranianos.A incidência dos vários tipos histopatológicos não difere daquela descrita na literatura, indicando que não deve haver fator de risco diferente no Estado da Bahia.

Palavras-chave: Astrocitoma pilocitico. Meduloblastoma

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br