Prevalência de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Saúde Reprodutiva em Adolescentes

Autor(es): Bruno Fernando Borges da Costa e Silva, Igor Logetto Caetité Gomes, Iuri Usêda Santana, Rita Elizabeth Moreira Mascarenhas e Maria Fernanda Rios Grassi

Introdução: As adolescentes são o grupo etário em maior risco de infecção por doenças sexualmente trasmissíveis (DST). Infecção genital por Chlamydia trachomatis é uma das principais DST nessa faixa etária. O seu subdiagnóstico predispõe Infertilidade, gravidez ectópica e abortamento. Vulvovaginites também são prevalentes entre adolescentes e repercutem de maneira similar na saúde reprodutiva das mulheres. Vaginose bacteriana, candidíase genital e tricomoníase são as principais etiologias dessa afecção. Objetivo: Determinar a prevalência de infecção genital por C. trachomatis, HPV, T.vaginalis, C. albicans, Candida spp e vaginose bacteriana em adolescentes e descrever os fatores de risco associados. Metodologia: A amostra era composta de 100 adolescentes acompanhadas em um serviço de ginecologia em Salvador, Bahia. As participantes se submeteram a entrevista clínica seguida de exame ginecológico, no qual material cérvico-vaginal foi coletado. Essas amostras foram submetidas a exames microbiológicos para detecção de vaginose bacteriana e C. albicans e Candida spp., avaliação laboratorial citológica pela coloração de Papanicolaou para diagnostico de T. vaginalis, e testes moleculares para identificação de HPV e C. trachomatis. Para análise estatística foi avaliada a prevalência das DSTs na amostra estudada e a distribuição das adolescentes de acordo com características sócio-demográficas, familiares, sexuais e comportamentais, tendo sido utilizado o software SPSS 17 para Windows. Resultados/Resultados esperados: Prevalências encontradas: Infecção cervical por Chlamydia trachomatis: 31%; Infecção cervical por HPV: 88%; Infecção por Trichomonas vaginalis: 1%; Infecção por Candida albicans e Candida spp.: 22%; Vaginose bacteriana: 20%. Uma associação significativa entre vaginose bacteriana e o uso de álcool, tabaco e drogas ilícitas também foi observada (p=0,02). As pacientes com vaginose relataram um maior número de parceiros sexuais, comparadas àquelas sem essa condição (p=0,01).

Palavras-chave: Adolescência, Prevalência, DST

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br