Avaliação do Potencial Antitumoral de Extratos de Plantas Endêmicas da Caatinga Baiana

Autor(es): Lorenza Andres Almeida de Souza, Alene Vanessa Azevedo dos Santos, Lourdes Cardoso Souza Neta, Diego Silva Menezes

Introdução: O câncer representa cerca de 13% de todas as causas de morte no mundo. Há inúmeras dificuldades no tratamento: elevada toxicidade dos fármacos, insolubilidade em água dos medicamentos e numerosos casos refratários. Diversos fármacos disponíveis em nosso arsenal terapêutico são oriundos da bioprospecção de substâncias naturais como: vincristina e vimblastina (Vinca rosea), paclitaxel (Taxus brevifolia), etoposídeo e teniposídeo (Podophyllum peltatum e P. emodi), sendo uma abordagem promissora. Objetivo: Nesse contexto, nosso projeto objetiva avaliar o potencial antitumoral de extratos e substâncias naturais oriundos de plantas endêmicas da caatinga baiana. Metodologia: Para tanto, usaremos como modelo de triagem in vitro as linhagens: HL-60 (Promielocítica), B16-F10 (Melanoma) e HEPG2 (carcinoma hepatocelular). A susceptibilidade dessas linhagens aos extratos será medida por acompanhamento da taxa de inibição, avaliação ultraestrutural, pelas técnicas de microscopias eletrônicas de transmissão e varredura e avaliação da morte celular pelo uso de sondas avaliadas por citometria de fluxo. Resultados/Resultados esperados: Assim, espera-se triar extratos ou grupos de extratos com potencial atividade antitumoral in vitro, identificando os possíveis alvos celulares de atuação, o tipo de morte e as vias bioquímicas envolvidas. Após a triagem in vitro dos extratos almeja-se isolamento das substâncias ativas e a realização de testes in vivo.

Palavras-chave: bioprospecção; produtos naturais; quimioterapia; caatinga; câncer.

voltar
Anais da MCC., Salvador, v.1, n.3, setembro. 2012, ISSN

Av. Dom João VI, 274 - Brotas - CEP: 40285-001
Salvador/Ba Tel: 2101-1900 Fax: 3356-1936
http://www.bahiana.edu.br