Why modern medicine is a major threat to public health

blog-image

Quando o ex-piloto de aviação Tony Royle veio me ver no ano passado para garantir que não havia problema em participar de um evento de Ironman, tendo parado todos os seus medicamentos 18 meses depois de sofrer um ataque cardíaco, fiquei inicialmente um pouco alarmada.

Mas depois de conversar com ele, percebi que ele tomara uma decisão informada de interromper a medicação depois de sofrer os efeitos colaterais e, em vez disso, optou por uma abordagem de dieta e estilo de vida para administrar sua doença cardíaca.

Seu caso é um ótimo exemplo de como a medicina baseada em evidências deve ser praticada. Esta é a integração da perícia clínica, a melhor evidência disponível e - mais importante - levando em consideração as preferências e valores dos pacientes.

Mas nosso sistema de saúde não conseguiu manter esse padrão ouro de prática clínica para o objetivo mais importante de melhorar os resultados de saúde do paciente.

As conseqüências foram devastadoras. A medicina moderna, através da prescrição, representa uma grande ameaça à saúde pública. Peter Gøtzsche, co-fundador da reputada Cochrane Collaboration, estima que a medicação prescrita é a terceira causa mais comum de morte em todo o mundo após doenças cardíacas e câncer.

No Reino Unido, o uso de medicamentos prescritos está em alta, com quase metade dos adultos em pelo menos um medicamento e um quarto em pelo menos três - um aumento de 47% na última década. É instrutivo observar que a expectativa de vida no Reino Unido estagnou desde 2010, sendo a desaceleração uma das mais significativas nas principais economias do mundo.

Ao contrário da crença popular, o custo de uma população envelhecida em si não é uma ameaça ao sistema de bem-estar - é uma população que envelhece e não é saudável. Uma análise do Lancet revelou que, se o aumento da expectativa de vida significa anos de boa saúde, espera-se que os gastos com saúde aumentem apenas 0,7% do PIB até 2060.

A maior tensão no NHS provém do gerenciamento de condições crônicas quase totalmente evitáveis, como doenças cardíacas, hipertensão arterial e diabetes tipo 2. O diabetes tipo 2 isolado (demonstrado como reversível em até 60% dos pacientes) ocupa aproximadamente 10% do orçamento do NHS. Um relatório perturbador da Fundação Britânica do Coração sugere que os ataques cardíacos e derrames estão agravados na Inglaterra nos próximos 20 anos, à medida que a prevalência de diabetes continua a aumentar.

No entanto, em vez de abordar a causa básica dessas condições por meio de mudanças no estilo de vida, priorizamos medicamentos que oferecem - na melhor das hipóteses - apenas uma chance marginal de benefícios a longo prazo para os indivíduos, a maioria dos quais não obterá melhora nos resultados.

A realidade é que as mudanças no estilo de vida não apenas reduzem o risco de doenças futuras, mas seus efeitos positivos na qualidade de vida acontecem em dias ou semanas. No entanto, aqueles pacientes com o azar de sofrer os efeitos colaterais dos medicamentos prescritos podem achar que sua qualidade de vida se deteriorará, a fim de desfrutar de pequenos benefícios a longo prazo da medicação.

É claro que os pacientes podem precisar usar ambos, mas o importante é que as informações sejam apresentadas de forma transparente para encorajar a tomada de decisões compartilhadas. A campanha Escolhendo com Sabedoria, da Academia de Medicina Real, estimula os pacientes a perguntar ao seu médico se eles realmente precisam de um medicamento, teste ou procedimento.

Prof Luis Correia, diretor do Centro de Medicina Baseada em Evidências no Brasil, diz que se uma decisão clínica não está de acordo com as preferências e valores individuais do paciente, "não vai funcionar".

Um relatório encomendado pelo think tank The King's Fund em 2012 recomendou colocar as preferências dos pacientes no centro da tomada de decisões na medicina, sugerindo que não seria apenas uma vitória para a ética e política, mas também para as finanças, já que os dados mostram aos pacientes todas as informações escolha menos tratamentos. Mas, mais do que poupar dinheiro, será redistribuir recursos dentro do sistema para onde eles são mais necessários, em cuidados agudos e sociais.

Inscreva-se no boletim informativo semanal da Society Weekly 
Leia maisEsta solução para a crise financeira do NHS e dar aos pacientes a melhor chance de melhorar sua saúde exigirá uma campanha nacional de saúde pública para reduzir a quantidade de medicamentos que a população adota, melhorando o estilo de vida e aderindo aos verdadeiros princípios da medicina baseada em evidências tornar tomada de decisão compartilhada a prioridade na prática clínica.

Algumas semanas atrás, quatro anos após seu ataque cardíaco e dois anos depois de abandonar todos os medicamentos e mudar radicalmente sua dieta, Tony completou seu primeiro Ironman aos 58 anos, revelando que nunca é tarde demais para melhorar a forma física. Mas a mensagem mais importante permanece clara: você não pode levar as pessoas a serem mais saudáveis.

Dr Aseem Malhotra é cardiologista consultor do NHS e professor visitante de medicina baseada em evidências, na Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Brasil


Source
The Guardian