Galeria de Fotos

Galeria de Fotos

Novos da Bahiana 2015.1

compartilhe

“Arte: ampliando a percepção de si, ampliando a percepção de mundo” foi o tema da palestra que aconteceu nesta sexta-feira, 23 de janeiro, na Unidade Acadêmica Cabula e marcou o ingresso dos Novos da Bahiana, na instituição. Por meio de uma linguagem lúdica e psicodramática, a atriz Meran Vargens conduziu centenas de estudantes, professores e colaboradores da Escola para uma reflexão sobre a contemporaneidade, a relação com o outro e com o mundo. A programação teve início com a apresentação do coral Canta Bahiana, seguido das palavras de cada coordenador da graduação. A recepção aos Novos a Bahiana é coordenada pelo Núcleo Atenção Psicopedagógica (NAPP).


Novidades

Este ano, os cursos de Enfermagem e Psicologia trouxeram como novidade as novas coordenadoras Prof.ª Cristiane Magali e Prof.ª Sylvia Barreto, respectivamente. “O ano de 2015 começou pra mim de forma muito especial pelo fato de assumir a coordenação do curso de Psicologia, onde venho trabalhando desde o ano passado no planejamento desse semestre. Os professores estão muito empolgados, muito envolvidos para receber os novos estudantes e os nossos veteranos. A gente vai continuar mostrando a psicologia  diferente que ensinamos na Bahiana, como forma de ensino e aprendizagem inovadora, com um currículo  atento ao  que está acontecendo no mundo, na contemporaneidade. Nossa ideia é fazer com que nossos alunos se posicionem de forma crítica e reflexiva como sujeito da comunidade, da sociedade”, declarou Prof.ª Sylvia Barreto.

O momento também foi de despedida e redirecionamento para novos caminhos, como foi o caso da Prof.ª Maria de Lourdes Lima, que deixou a coordenação do curso de Enfermagem para assumir a Coordenação de Ensino da Graduação e Pós-graduação da Bahiana. “Foram oito anos de muito aprendizado. Eu fui  gestora  por muito tempo na área hospitalar e na atenção básica. Eu tinha certeza do que o mercado precisava. E aí, quando eu vim para a Bahiana, eu tinha muito essa ideia de construir um curso que formasse para o mercado, para a profissão, com um grau de autonomia, de conhecimento e de valores, que a gente tivesse pessoas com uma visão ampla da saúde, uma visão ampla do sistema, de como atender a essa população, a essa comunidade, seja em qualquer nível da atenção básica, da atenção terciária. O curso foi uma criação coletiva. Ele foi construído, desde o primeiro momento, por um grupo de professores e, durante esse tempo, nós fomos agregando mais pessoas que tinham essa comunhão com o que nós queríamos”.

Sobre seu futuro na Bahiana, a Prof.ª Maria de Lourdes encara como mais um desafio. “Agora eu sou coordenadora de ensino da graduação e da pós-graduação. Então, isso é o novo, é um desafio. Agora a gente vai tentar estar sempre nessa articulação da graduação e da pós-graduação, apoiando os coordenadores nas suas caminhadas, vamos consolidar alguns programas e projetos de uma forma institucional e avançar também na pós-graduação.”


Encontro

Para Renata Travassos, 17 anos, aluna do curso de Medicina, a imagem que tinha da Bahiana correspondeu ao que presenciou na manhã da última sexta-feira. “Eu nunca tinha vindo aqui nesses passeios que a escola faz, mas eu acabei me inscrevendo na Bahiana mesmo assim, pois é uma Escola conceituada. Os professores são muito unidos, eles deixam tudo claro pra nós. Corresponde à imagem que eu já tinha”.

A valorização de uma visão humanística e que prioriza aspectos como a arte, foi o que despertou na aluna de Biomedicina, Ariel Tourinho, de 18 anos, a vontade de ser Bahiana. “O que vi aqui corresponde ao que imaginava. Eu tenho duas tias formadas pela Bahiana e eu não queria uma faculdade formal, ‘quadrada’, que me fizesse esquecer algumas coisinhas da escola. Eu me apaixonei muito por isso aqui”.

Ane Gonzaga, também caloura de Biomedicina, apontou como diferencial da Bahiana o Processo Seletivo Formativo, pois é o momento em que é possível conhecer mais sobre a profissão escolhida. “Esse foi o segundo vestibular que eu fiz e eu achei interessante porque eles mostram como é a profissão, você pode interagir com quem vai estudar depois, foi bem interessante. Eu já conhecia a Bahiana, pois fiz uma visitação na época do colégio e eu acho interessante a faculdade se propor a interagir com o aluno e não ser aquela coisa engessada que é só papelada e burocracia. Achei interessante”.

Para a gestora do NAPP, Prof.ª Angélica Mendes, o momento de receber os Novos da Bahiana também é a oportunidade de mostrar como a Escola é uma instituição que está sempre em movimento, em transformação. “A Bahiana é uma escola que se movimenta em todas as dimensões. Esse movimento pode ser físico, uma escola que tem um espaço que ainda pode crescer, ela se movimenta pedagogicamente porque está inovando, aprofundando os estudos, buscando compreender o que há de novo, quais são as direções da educação e ela se envolve, aplica e investiga as novas metodologias. Então, esse é mais um momento em que a gente está vivendo uma transição, implantando coisas novas, mudanças que vão certamente qualificar ainda mais o que a gente faz em todas as direções”. 

Estiveram presentes os coordenadores do curso de graduação Eliana de Paula (Medicina), Urbino Tunes (Odontologia), Luciana Bilitário (Fisioterapia) e Geraldo Argolo (Biomedicina), além da gestora do Núcleo de Supervisão Pedagógica, Jucinara Menezes e toda sua equipe, do coordenador de Administração e Finanças, Emanoel Olímpio Alves de Souza e do Prof. Diego Menezes que acaba de assumir a Coordenação de Pesquisa e Inovação da Bahiana. “Há 63 anos a Bahiana já pesquisava e inovava, por isso, este ano, foi criada a Coordenação de Pesquisa e Inovação para que possamos compartilhar com a sociedade o que fazemos com o nosso conhecimento, o que disponibilizamos para o Brasil e para o mundo, tendo em vista que nossos professores pesquisadores têm seus trabalhos apresentados em diversos países”, declarou o novo coordenador.

Fotos_Calouros_2015_%283%291.JPG

Fotos_Calouros_2015_%283%291.JPG

Ver todas as galerias