Notícias

Simpósio discute atuação do médico de família e comunidade

Encontro aconteceu no Campus Brotas e contou com a participação de profissionais, residentes e acadêmicos de saúde.
12/12/2019


Simpósio discute atuação do médico de família e comunidade

Encontro aconteceu no Campus Brotas e contou com a participação de profissionais, residentes e acadêmicos de saúde.

Um encontro marcado pela troca de vivências da formação e de experiências profissionais. Assim foi o I Simpósio de Saúde da Família e Comunidade, que aconteceu no dia 5 de dezembro, no Campus Brotas da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, fruto de uma parceria entre a instituição e o Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade. A data escolhida também é a mesma em que se comemora o Dia do Médico da Família.

Coordenado pela professora do curso de Medicina e médica de família Dra. Rita Carvalho, o simpósio contou com a participação ativa de acadêmicos, residentes e médicos de família, que juntos discutiram desafios e novos caminhos para a atuação desse especialista da medicina.

A programação teve início com uma roda de conversa com a participação da Dra. Rita, da coordenadora do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Escola de Saúde Pública, Dra. Miriam Marambaia, e dos médicos de família Dr. Whashington Luiz Abreu Jesus e Dra. Andréa Beatriz Silva dos Santos, todos professores da Bahiana, além das médicas e docentes Dra. Kilce Gonçalves e Dra. Lílian Carvalho.

O médico de Família e Comunidade

A Dra. Rita Carvalho explica que a medicina da família tem um olhar integral do indivíduo. "Ela quer cuidar do indivíduo em todos os ciclos de vida. Esse médico não é um pediatra, um geriatra, um hebiatra ou um clínico geral. Ele é um médico de família e comunidade que cuida da pessoa desde o pré-natal, acompanha a puericultura desse recém-nascido, depois acompanha o desenvolvimento e crescimento dessa criança, desse adolescente, desse adulto." Ela esclarece que a diferença do conceito antigo de médico da família era que este era chamado na doença e hoje, não. "Ele é chamado na prevenção. É aquele médico que se preocupa com as suas vacinas, com situações de risco como o alcoolismo. Por exemplo: o que é que o médico tem a ver com o racismo? Tudo, pois se trata de uma das iniquidades a que o indivíduo está submetido."

Ela ainda enfatiza a importância da formação de uma equipe multidisciplinar de atendimento. "Tudo se inter-relaciona com a saúde do indivíduo. Você não pode dizer que um adolescente que vive em periferia estudou com a mesma facilidade de um jovem que estudou a 30 minutos da faculdade. Essa pessoa tem muito mais dificuldade. E essas dificuldades requerem um cuidado diferente, não melhor nem pior, apenas diferente! Por isso a equipe de saúde da família é territorializada. Um médico de família deve atender a um determinado grupo de pessoas. ”

Para Juliana Lopes, médica recém-formada pela Bahiana, as cobranças feitas ao médico de família levam-na a refletir sobre a atuação desse profissional: “Após algumas experiências em cidades do interior, passei a me perguntar: ‘Qual é o papel desse médico? Esse médico que sou dá conta disso tudo? Ser um médico especialista em família vai ser o suficiente?’ ” Ela conta que pretende fazer a residência de Saúde da Família e Comunidade da Bahiana, que foi criada há dois anos: “Eu quero que a residência me ajude a organizar as ideias, mas também não é ela que vai ser a ‘varinha de condão’ que vai resolver tudo. Esse ‘ser médico’ não existe. Temos que saber nos comunicar e trabalhar em equipe, porque a gente não é o centro, estamos ali para fazer um papel e a necessidade é muito grande, precisamos de ajuda o tempo inteiro”.

A programação contou ainda com uma atividade de Lian Gong, conduzida pela Dra. Kilce Gonçalves, e com uma palestra do médico, filósofo, psicólogo e professor da Bahiana, Dr. André Peixinho. Como desfecho, os participantes puderam contemplar uma exposição de pôsteres com experiências de saúde em comunidades.
 

Campus Brotas

Av. Dom João VI, nº 275, Brotas.
CEP: 40290-000
tel.: (71) 3276 8200
fax.: (71) 3276 8202

Campus Cabula

Rua Silveira Martins, nº 3386, Cabula
CEP: 41150-000
tel.: (71) 3257 8200
fax.: (71) 3257 8230

Coordenadoria Geral

Av. Dom João VI, nº 274, Brotas.
CEP: 40285-001
tel.: (71) 2101 1900
fax.: (71) 3356 1936